Grupo Motard Os Condenses

Grupo Motard da Quinta do Conde - Conselho de Sesimbra
 
InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Últimos assuntos
» recomeço por todos os motards
Qui Jan 20, 2011 2:24 pm por jpegacho

» Apresentação RFM
Qui Set 17, 2009 4:04 am por RFM

» ola a todos os condenses
Dom Mar 22, 2009 10:59 pm por santos

» esperança por ti ......
Sab Mar 14, 2009 10:30 pm por santos

» tistezas .......,
Seg Mar 02, 2009 5:48 pm por zmenor

» amigos condences
Sex Fev 27, 2009 9:52 pm por santos

» O que é um Motard...?
Seg Fev 09, 2009 6:02 pm por Admin

» amigos condences
Qui Fev 05, 2009 8:50 am por santos

» meus amigos
Dom Fev 01, 2009 3:02 pm por zmenor

Novembro 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
CalendárioCalendário

Compartilhe | 
 

 DICAS PARA UM MOTOCICLISTA

Ir em baixo 
AutorMensagem
KOMANDANTE

avatar

Mensagens : 36
Data de inscrição : 17/07/2008

MensagemAssunto: DICAS PARA UM MOTOCICLISTA   Sex Jul 18, 2008 9:59 pm

O maior elemento de perigo ao conduzir uma moto ( ou um carro) reside no próprio condutor, cuja atitude é fundamental para a sua própria segurança.

As 5 regras que enunciamos a seguir, constituem, na nossa opinião, uma boa base para se conduzir em segurança e para usufruir do prazer e virtudes de rolar numa moto sem problemas, sendo as duas primeiras as verdadeiramente essenciais na atitude do condutor de uma moto ( ou de um carro).

1. Conduza sempre à defesa.
2. Nunca presuma. Tenha a certeza.
3. Nunca arrisque.
4. Seja visível.
5. Não confie na sinalização dos outros veículos.

Breves notas e explicações sobre estas regras.

CONDUZA SEMPRE À DEFESA.

Na realidade, a regra que temos transmitido a amigos e clientes é enunciada do seguinte modo:

“Conduza à defesa. O ataque está pela hora da morte”.

A agressividade, a identificação do comportamento ao volante de uma moto com a sua própria virilidade, são umas das principais fontes potenciais de perigo, levando o condutor a exceder os seus limites, a arriscar. No fundo, a conduzir “ao ataque”.

Conduzir “ à defesa” traduz-se numa atitude mental que induz permanente cautela, precaução e cuidado em todas as acções e decisões na condução.

NUNCA PRESUMA. TENHA A CERTEZA.

Muitos acidentes se deram porque o condutor presumiu que outro veículo ia fazer determinada manobra. Muitas vezes com razão, porque o outro veículo tinha o pisca aceso, indicando uma intenção de mudar de direcção que depois não concretizou. Ou porque “parecia mesmo que o carro ia virar à esquerda”.

Outras vezes o condutor presume que o outro veículo vai cumprir as regras da prioridade. E, como não cumpre, sofre um acidente. Em que não é culpado mas isso não serve de grande atenuante. Presumir que os outros nos viram é outro dos erros mais frequentes e tem dado aso a incontáveis acidentes.

A alteração da nossa atitude mental habitual é fácil. A maior parte das vezes, o nosso acto de presumir é automático, baseado nas experiências que o nosso cérebro vai registando. Se já passámos pela experiência de algumas dezenas de carros, com o pisca da esquerda aceso, virarem mesmo à esquerda, o nosso cérebro, quando em “automático”, presume que este que está a ver vai fazer o mesmo. Deixar de conduzir em “automático” implica passar a conduzir com atenção permanente e recusar o automatismo de algumas decisões.

NUNCA ARRISQUE.

A maior parte dos leitores conhece, concerteza, aquela regra que diz “ Se alguma coisa pode correr mal, correrá”. Arriscar, às vezes, é mesmo uma decisão apetecível. Por exemplo, quando vamos atrás de um camião fumegante, numa estrada com traço contínuo e com uma lomba à frente, “apetece” mesmo arriscar e ultrapassar. E inventamos tudo e mais alguma coisa para nos desculpar ( somos rápidos e a ultrapassagem não demora mais do uns segundos, a moto cabe perfeitamente entre as duas vias de circulação, etc). E depois de algumas vezes em que não arriscámos e não vinha nenhum carro em sentido contrário, se, desta vez, resolvemos arriscar é certo e sabido que vem de lá um TIR e um maluco qualquer a ultrapassá-lo.

SEJA VISÍVEL.

A discrição é uma das virtudes que numa moto não é muito aconselhável. Ser visível é mais difícil do que a maior parte dos condutores sabe. Está em curso um estudo para analisar um fenómeno que leva muitos condutores, ou antes, que leva o cérebro de muitos condutores a não processar a informação que lhes é transmitido pelos olhos e a causar inúmeros acidentes.

Ou seja: há condutores que olham para si mas que o não vêem. E que, portanto, adoptam decisões que não o consideram a si e à sua moto ( ou carro). Se seguir as três regras anteriores, não terá problemas com isso. Mas, para ajudar a combater este problema, há que ser visível e chamar a atenção dos outros condutores. A melhor maneira de o fazer é ser distintivo, tendo elementos de identificação visual que “obrigue” os cérebros em automático a inclui-lo no processamento de dados para as decisões que vão tomar.

Quantos de nós não passámos já pela situação seguinte: Vamos numa estrada sem trânsito e vemos do nosso lado direito um carro que chega de uma estrada lateral, parar para entrar na via em que circulamos. Ao vermos o carro parar, assumimos que ele nos vê e que aguarda, como seria natural, que passemos para depois entrar. E, de repente, o nosso carro entra “ à papo seco” ... Muitos destes condutores, quando são interpelados, porque causaram um acidente ou por outra circunstância, reclamam, com um ar espantado “Mas eu não o vi. Parei, olhei e não vi nada... e entrei”

Cores vivas, faróis acesos, aviso de luzes...faça-se ver.

Um nosso conhecido circula de dia com os máximos. Não estamos a aconselhar. Só estamos a relatar que um nosso conhecido o faz. E acha que, desta vez, vale a pena arriscar a pagar a multa em troca da segurança adicional que isso lhe traz.

Um outro cliente belga, a viver em Portugal há muitos anos, compra-nos motos sempre, nas suas palavras, “nas cores mais berrantes que existirem” porque “ ...em Portugal, isso é muito importante”.

NÃO CONFIE NOS PISCAS.

É que não vale mesmo a pena confiar nos piscas do carro que vai à sua frente, dos que vêem em sentido contrário ou dos que estão parados. Não presuma que o condutor desses carros estão mesmo com as intenções que os piscas dos respectivos veículos anunciam. Quando olhar para um pisca aceso lembre-se desta nossa Regra de Ouro. O único significado do pisca aceso é que a lâmpada não está fundida. E mais nenhum.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
DICAS PARA UM MOTOCICLISTA
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» dicas de motorização
» exames carta de caçador
» dicas para meter caes de rasto mais rapidos
» Dicas para montar Bomba injetora Bosch + injetores????
» Dicas para treino de Perdigueiro Português.

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Grupo Motard Os Condenses :: Geral :: Geral-
Ir para: